Vista parcial da minha cidade natal: Amparo, Estado de São Paulo, Brasil.


Seja bem-vindo(a) incansável seguidor(a) e amigo(a)!

Salve incansável e fiel seguidor(a)

domingo, 23 de agosto de 2015

Uma velha cidade antiga de 1950!

Rua Augusta, São Paulo, década de 50!

É sempre bom, recordar as maravilhosas coisas antigas!

A surpresa encontra-se no final!

domingo, 9 de agosto de 2015

Toques de Elegância!


Elegância de comportamento: 

arte que tem que ser aprendida, apesar de difícil, 

mas cultivada e praticada sempre por cada um!

Toques de Elegância!

More presentations from Aristides Monteiro

Alguns recordes do mundo!


Conheça-os, em vários segmentos!

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Hotéis Curiosos do Mundo!


Uns são bem originais, outros luxuosos, outros extravagantes, 

mas todos tem como premissa básica a beleza, a elegância e a criatividade!

Polvo e suas Curiosidades!


Polvos são animais peculiares: têm oito braços, mudam de cor, soltam tinta na cara dos predadores e, sem esqueleto, conseguem se enfiar em quase qualquer lugar. Mas isso você já sabia.

Veja abaixo cinco características dos polvos que poucas pessoas além dos pesquisadores conhecem, reunidos no livro "Octopus!: The Most Mysterious Creature in the Sea Hardcover" [Polvo! A criatura mais misteriosa da natureza"], da jornalista americana Katherine Harmon Courage:

1) POLVOS TÊM TRÊS CORAÇÕES
Polvos são solitários, mas não se pode dizer que são bichos sem coração. As 300 espécies de polvo, com diferentes tamanhos, têm três corações. Tal estranha estrutura cardíaca é necessária para manter o sangue circulando por seus oito braços.

Desses, dois corações recebem o sangue não-oxigenado de todas as partes do corpo, mandando o líquido brânquias, onde é oxigenado. Daí o sangue vai para o terceiro coração, que tem como função bombeá-lo de volta para o organismo inteiro.

2) POLVOS TÊM O SANGUE AZUL
Em vez da nossa hemoglobina, os polvos têm hemocianina –em vez de ferro, a proteína do sangue dos animais tem cobre, o que significa que a sua tonalidade é azul.

Vários estudos mostram que a hemocianina é muito mais eficiente do que a hemoglobina no transporte de oxigênio para o organismo, especialmente em lugares de temperatura baixa, como regiões dos oceanos onde polvos vivem.

3) ARISTÓTELES NÃO SE DAVA BEM COM OS POLVOS
"O polvo é uma criatura estúpida; quando um homem põe a mão na água, ele se aproxima", escreveu Aristóteles no seu livro "Da História dos Animais". Não se sabe o motivo da implicância do filósofo grego com os bichos, mas ao que tudo indica ele estava errado.

Vários testes feitos por pesquisadores mostram que o animal é bem inteligente, talvez o mais esperto entre os invertebrados. Ele consegue achar a saída em labirintos, por exemplo, e aprende a mexer com ferramentas para, digamos, pegar um sanduíche dentro de um frasco.

No Aquário de Brighton, no Reino Unido, há um caso famoso: um polvo passou meses saindo "de fininho" do seu tanque, no meio da madrugada, para comer peixes do tanque vizinho, voltando antes do raiar do dia e deixando, pela manhã, os funcionários do local perplexos com os peixes que sumiam misteriosamente.

4) PARA OS POLVOS, SEXO É O FIM
Para o polvo, o sexo acaba com a vida. Em geral, os animais vivem de modo solitário, até terem a (má) ideia de se reproduzir – como os polvos são com frequência canibais, a fêmea precisa soltar um feromônio que sinaliza ao macho que ele não deve devorá-la, mas sim procriar.

Objetivo do encontro combinado, o macho fecunda a fêmea e, exaurido, morre pouco depois.

A fêmea cuida dos ovos – o polvo é uma animal de fertilização externa – até eles eclodirem, morrendo logo após isso, a "mãezona" gasta muita energia para proteger sua prole, mas não se alimenta nesse período.

Na natureza, não é raro que a vida não se resuma a muito mais do que a reproduzir. 

Espécies como a humana, em que há uma longa fase da dependência infantil e, consequentemente, uma longa criação na qual os pais são necessários, são na verdade uma exceção.

5) POLVOS E HUMANOS ENXERGAM DE MANEIRA PARECIDA
Os olhos dos polvos (e também das lulas) impressionam os biólogos por serem razoavelmente parecidos com os humanos, inclusive, em algumas espécies, com percepção de cor.

O mais interessante é que tais estruturas evoluíram independentemente. É o que os biólogos chamam de "evolução convergente", ou seja, diferentes espécies, por diferentes caminhos, chegaram a soluções evolutivas similares.

Há muitos outros exemplos além dos olhos. Morcegos e pássaros desenvolveram a habilidade de voar de modo independente, por exemplo. 


Fonte: Folha de São Paulo - 16/07/2015