Vista parcial da minha cidade natal: Amparo, Estado de São Paulo, Brasil.


Seja bem-vindo(a) incansável seguidor(a) e amigo(a)!

Salve incansável e fiel seguidor(a)

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Crônica: Dilema de um carioca!

Prezada Márcia Goldschmidt,

Sou seu fã e adoro seu programa.

Estou recorrendo a você para pedir um conselho, pois estou com um grave dilema.

Tenho uma namorada que amo intensamente e quero me casar com ela, mas tenho receio que ela não goste de minha família e isso gere conflitos em nosso relacionamento.
Veja o que acontece:

Papai é chefe do tráfico de drogas e tem atuação muito forte aqui no Rio. Ele conheceu a minha mãe numa casa de tolerância e conseguiu tirá-la dessa vida.

Hoje ela tem sua própria zona com mais de cem mulheres, e não precisa mais exercer esse trabalho pessoalmente, apenas de vez em quando pra se manter sempre por dentro das tendências do mercado.

Tenho três irmãos e duas irmãs que conheço pessoalmente:

O mais velho é deputado federal, a pedido do meu pai, para garantir os negócios da família.

O segundo tinha problema, mas mudou muito de vida depois que cumpriu a pena por sequestro e estupro e hoje é bispo da Igreja Universal. Ele já ressuscitou catorze mortos e curou mais de 300 aidéticos e vive bem com suas quatro esposas na região dos Lagos.

Meu terceiro irmão abandonou a milícia que ele comandava no Complexo do Alemão, se arrependeu dos presuntos que ele tem no currículo, saiu do armário faz uns oito meses e hoje é travesti e trabalha na rua do Jóquei em São Paulo, mas só faz ativo. Apesar de ter virado a casaca e largado o Mengão pra virar curintiano por causa do Ronaldo, ele é um menino bom e não causa mais preocupação na família. A gente vê que ele tá bem encaminhado.

A minha irmã mais velha casou com o pai da ex-namorada dela, que está em estado vegetativo por causa de um derrame que ele teve quando o bicho pegou na época do mensalão. Ela abriu sua própria empresa em parceria com um sindicato, um despachante e um cartório, e hoje vende peças procedentes de veículos desaparecidos em outros Estados.

E a minha irmã caçulinha trabalha de dia como atriz nas Brasileirinhas e de noite ajuda a mamãe, só que ainda na fase do atendimento direto ao cliente, pra poder pegar o know-how do negócio a partir da base.

Bem querida Márcia, minha pergunta é a seguinte:

Você acha que eu devo revelar de uma vez ou ir falando pouco a pouco que eu tenho um irmão deputado?